Aplicativos prometem aumento no valor das corridas feitas em suas plataformas. Por enquanto, a 99 diz que não haverá repasse desse custo aos passageiros, o Uber não divulgou informações sobre o tema.

As empresas de transporte por aplicativo 99 e Uber anunciaram nesta sexta-feira (11) que vão aumentar os valores pagos aos motoristas credenciados em suas plataformas. A decisão dos aplicativos é uma forma de diminuir os impactos gerados pela disparada no preço do petróleo e, por consequência, dos combustíveis.

A 99 afirma que o aumento não será refletido no preço pago pelos passageiros nas corridas no momento. O g1 questionou o Uber sobre o reajuste para os clientes e não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

No caso da 99, os motoristas vão receber 5% a mais no valor do km rodado nas corridas do aplicativo. A 99 explica que o aumento passa a valer nos próximos dias e é válido para para todas as 1.600 cidades onde opera no País.

A plataforma de transportes também informou que está testando uma solução de subsídio para acompanhar automaticamente as flutuações dos combustíveis, tanto para cima quanto para baixo. "Após os testes, o novo recurso teria o potencial de trazer ainda mais transparência e segurança aos parceiros", informa a 99.

Já a Uber promete elevar em 6,5% o valor das corridas de forma temporária. O aplicativo promete investir R$ 100 milhões no Brasil nas próximas semanas em iniciativas "voltadas ao aumento nos ganhos e redução dos custos dos parceiros".

A companhia não descreveu quais serão as iniciativas.

A Petrobras reajustou nesta sexta os preços de gasolina e diesel para as distribuidoras, 57 dias após o último reajuste. O preço médio de venda da gasolina para as distribuidoras passou de R$ 3,25 para R$ 3,86 por litro, um aumento de 18,8%. Para o diesel, o preço médio passou de R$ 3,61 para R$ 4,51 por litro, uma alta de 24,9%.

A escalada nos preços fez motoristas de aplicativo em Aracaju (SE) abastecerem com até R$ 1 e exigirem nota fiscal como forma de protesto. Em Minas Gerais, motoristas formaram longas filas em postos que ainda não haviam aplicado o reajuste.

A própria 99 e sua concorrente Uber já haviam aumentado o valor repassado aos motoristas em setembro do ano passado pelo mesmo motivo.